Associação dos Geólogos e a Associação dos Engenheiros de Minas defendem o Centro de Tecnologia Mineral (CTM)

Area do Centro de Tecnologia Mineral CTM
A AGEGO – Associação dos Geólogos de Goiás e a AEMGO – Associação dos Engenheiros de Minas de Goiás enviaram ao Governador do Estado de Goiás, Ronaldo Caiado, carta onde defendem o Centro de Tecnologia Mineral e sugerem a permanência no mesmo local conforme mapa anexo.

SUGESTÕES DE AÇÕES PARA O SETOR MINERAL DE GOIÁS

A mineração é uma atividade essencial na produção de matérias primas destinadas a todos os setores econômicos e é responsável por geração de insumos básicos para a economia. Esses insumos básicos são necessários e movimentam uma cadeia produtiva que inclui transporte, construção civil, sistema elétrico e de energia, saneamento básico, além da indústria de alimentos e do agronegócio.

Os impactos da mineração na economia do estado são importantes no desenvolvimento regional e no atrativo para investimentos. A operação de empreendimentos mineiros é responsável pela geração de empregos e renda, pagamento de impostos e tributos, e na melhoria das condições de IDH dos municípios onde se instalam.

 O Estado de Goiás é o terceiro maior produtor mineral do País, atrás do Pará e de Minas Gerais, e o Setor Mineral Goiano ocupa o segundo lugar na composição do PIB Goiano, abaixo apenas da agropecuária, para a qual a mineração também é essencial, em face do obrigatório fornecimento de corretivos de solo e dos fertilizantes. A arrecadação do Estado de Goiás apenas com a CFEM (Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais) foi de R$15,87 milhões em 2019.

A mineração hoje em Goiás é relevante e diversificada, com minas de ouro em Crixás e região, duas de níquel em Niquelândia sendo uma paralisada, e outra em Barro Alto, duas de fosfato e uma de nióbio em Catalão, de amianto crisotila em Minaçu, bauxita em Barro Alto, além de inúmeras médias e pequenas minerações de calcário para corretivo de solos, calcário para cimento, argila para cerâmica, quartzito de Pirenópolis, granito e mármore para revestimento, vermiculita de São Luiz de Montes Belos, além de inúmeras unidades de produção de brita e areia para construção civil. O segmento da construção civil está disseminado em todo o Estado de Goiás.

O modelo implantado para o Setor Mineral no Estado de Goiás se desgastou e um novo modelo ainda não foi operacionalizado. É urgente se traçar novas bases operacionais e políticas para este setor, através de uma política mineral voltada para a realidade atual visando criar condições para o desenvolvimento de um novo ciclo de crescimento e desenvolvimento da mineração na região. O ciclo de geração de descoberta e desenvolvimento da pesquisa mineral até a viabilização de uma mina de qualquer bem mineral, é longo e contínuo. Ou seja, qualquer interrupção de investimento neste Setor, traz, como consequência, um hiato na geração desses empreendimentos mineiros.

Externamos a preocupação dos engenheiros de minas e geólogos goianos, quanto à desativação dos laboratórios e planta piloto do Centro de Tecnologia Mineral Engº Elias Antônio Cruvinel (CTM) e sua doação a alguma instituição de ensino.

Este centro já foi responsável pelo desenvolvimento de estudos tecnológicos para a definição dos processos adequados de aproveitamento e beneficiamento de bens minerais no Estado de Goiás e até fora do estado, se tornou referência internacional de desenvolvimento tecnológico para as empresas de mineração. O CTM se consolidou como a única unidade de apoio tecnológico do Setor Mineral existente para empresas no Centro Oeste e meio Norte do Brasil.

Também nos preocupa o iminente fatiamento do espaço físico do CTM, criado com a finalidade específica de sediar todas as atividades de pesquisa para o setor mineral, tendo como consequência a dispersão e perda do acervo técnico ali instalado, com um prejuízo irrecuperável para o Setor Mineral Goiano. No máximo, as atuais instalações do CTM poderiam ser concentradas em apenas 01 prédio, com saída independente para a BR-153, que representaria 20% da atual área de 82.000 m² pertencente ao CTM, conforme mapa em anexo.

De forma a demonstrar a importância do Centro de Tecnologia Mineral de Goiás, listamos aqui alguns trabalhos técnicos ali realizados recentemente, mediante contratos de prestação de serviços ou a título de fomento:

Mineração Serra Verde – ensaios de beneficiamento de terras raras da região de Minaçú;

Brasil Minérios – estudo de vermiculita em Catalão e São Luís de Montes Belos;

Anglo American – Níquel Barro Alto;

EDEM – granito Porangatu;

Orinoco Gold – Faina ouro;

Biogold Ouro – MT;

ITAFOZ – Fosfato Montes Belos;

Cerâmica Estrela – ensaios de argilas cerâmicas;

APL Cerâmica Vermelha Norte Goiano, 22 Cerâmicas ensaios de caracterização de diferentes tipos de argilas;

SIC-SGM – Projeto SGM – K feldspato: levantamento das rochas graníticas ricas em feldspato em Goiás;

Remineralizadores – Ensaios de lixiviação de rocha – rochagem;

IFG e UFG – beneficiamento para obtenção de feldspato a partir de granitos de Goiás;

Pedreira Britec – estudo do pó de rocha para uso como remineralizador de solos;

Wollastonita da Wollasmil – ensaios de beneficiamento;

Anglo American – Nióbio Catalão;

BRASCAL – DF – beneficiamento de areia;

Mineração Zeus – Manganês Cavalcante-GO;

Anglo American – Fosfato e barita COPEBRAS;

Mineração Penery – ouro e manganês, Cavalcante GO;

Indústrias Cerâmicas do Estado de Goiás / PROCON: ensaios de qualidade, norma NBR- ABNT de amostras de blocos (tijolos) da cerâmica vermelha recolhidos nos depósitos de Goiânia e região.

AÇÕES ESPERADAS DO GOVERNO DE GOIÁS NO SETOR MINERAL 2021

É urgente a criação de condições para viabilizar o Setor com as seguintes etapas:

Paralização urgente do processo de desmonte do Centro de Tecnologia Mineral de Goiás e manutenção dos contratos e compromissos já firmados com as empresas e pequenos produtores. Exemplo: acordo firmado entre a empresa Anglo American e o Governo de Goiás para instalação e operação de uma planta piloto de hidrometalurgia em Goiânia por meio do Fundo de Fomento à Mineração (Funmineral) e da Secretaria de Indústria e Comércio. A iniciativa vai permitir que a viabilidade dessa tecnologia seja testada para utilização na unidade da empresa em Barro Alto (GO), onde poderá viabilizar a retomada daquela unidade, com consequente geração de empregos, renda e impostos para o Munícipio. Este importante estudo poderá viabilizar outra técnica de beneficiamento que também poderá tornar possível a retomada da planta de produção de níquel da Votorantim em Niquelândia. “O investimento da empresa Anglo American é de R$ 422 mil, montante que está sendo direcionado para a fabricação e instalação do equipamento”.

Vinculação do CTM à Diretoria de Mineração da CODEGO;

Revitalização do CTM em bases operacionais que atendam às necessidades do Setor Mineral, através de recursos financeiros para o seu funcionamento pleno, provenientes de: prestação de serviços; uma cota parte da CFEM arrecada pelo Governo de Goiás; assim como dos royalties provenientes da SAMA, assim como recursos específicos a serem disponibilizados pelo MME – Ministério das Minas e Energia para este fim. É também fundamental a preservação do acervo técnico gerado pela METAGO nas últimas décadas;

Implantação de política destinada ao desenvolvimento do Setor Mineral do Estado de Goiás, compreendendo os seguintes pontos:

Retomada do Fundo de Fomento à Mineração – FUNMINERAL, com objetivos originais, tornado realidade pela Lei Estadual nº 13.590, de 17 de janeiro de 2000, como apoio à mineração no estado;

Reativação do conselho estadual de geologia – CONGEO decreto n° 9098 de 30/11/2017;

Fomento ao pequeno produtor mineral através de apoio tecnológico e linhas adequadas de financiamento;

Atuação em conjunto com dos órgãos federais da mineração ANM-Agencia Nacional de Mineração e com a Superintendência Regional do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) no sentido de ampliar as ações no Estado de Goiás;

Parcerias com o setor privado para desenvolvimento de pesquisas e realização de levantamentos aerogeofísicos ou  prosseguimento do programa de levantamentos aerogeofísicos em conjunto com Serviço Geológico do Brasil (CPRM);

Desenvolvimento de programa de aproveitamento de resíduos minerais em conjunto com as empresas de mineração;

Criação de procedimento de licenciamento ambiental para a mineração que possibilite a implantação de projetos de mineração;

Elaboração de roteiros turísticos na área da Geologia e geoparques.

Goiânia, 21 de dezembro de 2020.

Geól. Joffre V. de Lacerda Filho Eng. Minas Augusto Gusmão Lima
Presidente da AGEGO Presidente da AEMGO

 

 

COMPARTILHE

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn