PorAGEGO Goiás

CPRM – Projeto Rio Capim qualificado para PPI

CPRM

Projeto Rio Capim qualificado para PPI

O Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência da República publicou, no Diário Oficial da União, resolução onde recomenda que o Projeto Caulim do Rio Capim, da CPRM, tenha parceria com a iniciativa privada. Até o momento são cinco projetos da CPRM qualificados pelo PPI : Polimetálico de Palmeirópolis (TO), Carvão Candiota (RS), Fosfato de Miriri (PE/PB), Cobre de Bom Jardim (GO) e Caulim do Rio Capim (PA). “Nós vamos estar na Exposibram atendendo a interessados que tenham dúvidas”, explicou Marcio Rémedio, coordenador das ações de desinvestimento de ativos minerários da CPRM.

O primeiro projeto a ser licitado é o Complexo Polimetálico de Palmeirópolis (TO). O leilão está marcado para 21 de outubro, no Rio de janeiro. O Complexo engloba um depósito polimetálico, que contém mais de um elemento em quantidades para aproveitamento econômico. Os estudos realizados pela CPRM apresentaram recursos inferidos da ordem de 6,3 Mt @ 3,58% Zinco, 0,81% Cobre, 0,55% Chumbo e Ouro resultam em até 11 g / t. A CPRM detém ainda cerca de 330 processos minerários, divididos em 30 blocos. Escolhido como projeto piloto, o complexo polimetálico de Palmeirópolis compreende seis processos, totalizando 6.050 hectares.

O leilão será realizado em duas etapas – A primeira será fechada, com a entrega da proposta em envelope lacrado, e a segunda será em lances viva voz, apenas para os três melhores classificados na etapa anterior. O vencedor será o que oferecer o maior percentual de royalty sobre o faturamento bruto durante a produção. Maiores informações www.ppi.gov.br/projetos1#.

fonte: Brasil Mineral

PorAGEGO Goiás

RHI Magnesita recicla mais de 17 mil t.

 

REFRATÁRIOS

RHI Magnesita recicla mais de 17 mil t.

A RHI Magnesita reciclou mais de 17 mil toneladas de resíduos refratários no ano passado, o que representa 4,3% do total produzido em sua operação na América do Sul. Com isto, a companhia evitou a emissão de 25,5 mil toneladas de CO2. Neste ano, a RHI Magnesita já reciclou volume superior a 9,7 mil toneladas de produtos. A meta para este ano é utilizar 6,2% de materiais reaproveitados.

A empresa coleta resíduos refratários dos clientes (indústrias de aço, vidro e cimento) e encaminha para a unidade de Coronel Fabriciano (MG), onde os materiais passam por vários processos de tratamento, como seleção, limpeza, britagem e, por fim, destinação para unidades fabris que reutilizam os resíduos tratados como matéria-prima na produção de novos refratários. “A economia circular é parte fundamental para alcançarmos nosso compromisso de reduzir em 10% a emissão de CO2 de nossa produção no mundo todo até 2025”, explica Francisco Carrara, Vice Presidente de Operações das Américas.

O executivo explica ainda que a reciclagem é estratégica para a RHI Magnesita até 2021, pois pretendem incluir 10% desse tipo de material na produção sul-americana. “Para atingir esse objetivo, estamos trabalhando para desenvolver produtos com mais volume de materiais reutilizados”.

A reutilização dos materiais evita novas extrações e queimas de minérios e dessa forma diminui a emissão de CO2. A reciclagem de resíduos já é feita pela RHI Magnesita há mais de dez anos e esse processo acontece em mais duas outras plantas no mundo: Índia e Veitsch, na Áustria.

Fonte: Brasil Mineral

PorAGEGO Goiás

EXPLORAÇÃO MINERAL – Aumento das atividades em julho

04/09/2019

EXPLORAÇÃO MINERAL

Aumento das atividades em julho

Os dados monitor mensal do setor de Inteligencia de mercado global da S&P mostraram aumento em todas as quatro métricas de exploração – financiamentos significativos, atividade de perfuração, recursos iniciais e marcos positivos em projetos – em julho, quando o Índice de Atividade de Pipeline da S&P Global Market Intelligence, ou PAI, saltou de 60, em junho, para 93 em julho. O crescimento foi impulsionado por um forte aumento de financiamentos significativos para projetos de mineração de ouro, que praticamente dobrou, de 76 para 151, enquanto o de metais básicos cresceu de 45 para 47,5 no mesmo período.

Acompanhando a melhora no PAI de julho, os preços dos metais subiram em julho, com o Índice de Preços de Exploração da S&P Global Market Intelligence, ou EPI, passando de 122 para 126. O preço indexado aumento para cinco metais – ouro, prata, níquel, cobre e platina – dos oito constituintes do índice e diminuiu para zinco, cobalto e molibdênio.

O número de anúncios iniciais de recursos saltou de três para oito em julho, após quatro meses consecutivos de queda. Cinco dos novos recursos eram de projetos de ouro, dois de zinco e um de cobre. A maior atividade de perfuração relatada em julho implica que a baixa de três anos em junho pode ter sido apenas um pequeno ponto na tendência mais ampla. Embora os níveis de atividade tenham diminuído desde o final de 2018, julho pode ser um ponto de retomada, com a exibição mais forte desde janeiro. Ao adicionar 55 projetos em junho, a recuperação de julho é de apenas cinco meses nos últimos cinco anos em que o aumento mensal foi de 50 ou mais relatórios de projetos.

O número de financiamentos de empresas juniores e intermediárias subiu de 174, em junho, para 180 em julho, embora o total de US$ 524 milhões arrecadados tenha sido 33% inferior aos US$ 787 milhões arrecadados no mês anterior. Isso significa que o conjunto de capitais está caindo, mas o aumento no número de financiamentos significa que o capital está sendo distribuído mais amplamente.
O número de projetos milestone aumentou de três para cinco em julho, sendo que quatro foram startups de produção – três novas minas e uma expansão – e o outro marco um projeto que entra em pré-produção.

fonte: Brasil Mineral

 

PorAGEGO Goiás

ENERGIA – CCJ aprova iniciativa privada em nuclear

ENERGIA

CCJ aprova iniciativa privada em nuclear

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou a admissibilidade da proposta de Emenda à Constituição 122/07, que autoriza a iniciativa privada a construir e operar reatores nucleares para geração de energia elétrica. Atualmente este monopólio é da União.

Segundo a proposta, as empresas que tiverem concessão poderão adquirir combustível nuclear, exclusivamente para fins de geração de energia elétrica. A PEC, de autoria do ex-deputado Alfredo Kaefer (PR), recebeu parecer favorável do deputado Sérgio Toledo (PL-AL). O deputado também recomendou a aprovação da proposta que tramita apensada (PEC 41/11, do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), e que vai no sentido oposto. A PEC 41/11 proíbe a construção e instalação de novas usinas nucleares em território brasileiro.

Como a CCJ analisou apenas a adequação das propostas à Constituição, caberá a uma comissão especial, que ainda será criada, decidir qual das PECs irá adiante. .Atualmente, as usinas de Angra 1 e Angra 2 estão em atividade, enquanto Angra 3 está em construção. A operação dessas usinas cabe à Eletrobras.

Fonte: Brasil Mineral

 

PorAGEGO Goiás

ANM – Protocolo Digital será lançado dia 30

ANM

Protocolo Digital será lançado dia 30

A Agência Nacional de Mineração (ANM) lança, no dia 30 de setembro, o Protocolo Digital, ferramenta que propõe trazer tecnologia de ponta, simplicidade e grande economia no relacionamento com a Agência.

O usuário poderá performar absolutamente todas as solicitações a partir de uma conexão com a internet, evitando custos relativos à impressão de papel, traslado e de tempo, com segurança de tecnologias reconhecidas como a Certificação Digital – ICP-Brasil.

O usuário deverá utilizar qualquer autoridade certificadora e poderá conhecê-las por meio do site www.iti.gov.br/icp-brasil/estrutura. O usuário terá que criar uma conta e terá os selos eCPF ou e-CNPJ. Todos os usuários que já possuem registro no Cadastro de Titulares de Direitos Minerários (CTDM) poderão utilizar o Protocolo Digital por meio da conta do Login Único – acesso.gov.br sem a necessidade de certificado digital. Maiores informações www.anm.gov.br/novo-protocolo.

Fonte: Brasil Mineral

PorAGEGO Goiás

 Petrobras informa sobre a produção em agosto

 Petrobras informa sobre a produção em agosto

Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2019 – A Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras informa que, em agosto, a sua produção total de petróleo e gás, incluindo líquidos de gás natural (LGN) foi de 3 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed), tendo a produção diária alcançado 3,1 milhões boed, ambas atingindo recorde.

Além disso, a média da produção no pré-sal (incluindo a parcela dos parceiros), em agosto, foi de 2,2 milhões boed, tendo a produção diária atingido 2,5 milhões boed, também representando recordes para a companhia.

As 7 novas plataformas que entraram em operação desde 2018 alcançaram a produção de 690 mil barris de óleo por dia em 8 de agosto, com destaque para o crescimento da produção no Campo de Búzios.

PorAGEGO Goiás

Palestra com Happy Hour, Dia 05/09

Atenção: Mudança na data de 04/09 para 05/09 no mesmo horário e local.

PorAGEGO Goiás

Casa do Alumínio -Exposição até 31 de agosto em Brasília

CASA DO ALUMÍNIO

Casa do Alumínio – Exposição até 31 de agosto em Brasília

A , um projeto de arquitetura, arte e design, ficará em exposição entre os dias 25 e 31 de agosto na Praça Lucio Costa, com entrada principal em frente ao Shopping Conjunto Nacional | SDN CNB – Conjunto A – Asa Norte, em Brasília (DF). A exposição tem entrada gratuita.

Com área útil de 150 m², a casa é composta por quarto, copa, living, banho, varanda e garagem, que são preenchidos com o maior número de objetos que tenham o alumínio em sua composição, em mais de 50 aplicações distintas. Os visitantes podem ampliar sua experiência por meio de conteúdos digitais disponibilizados em tablets. Desta forma será possível conhecer a história do alumínio e sua aplicação em segmentos estratégicos como transportes, embalagens, construção civil, utilidades domésticas, bem como na arte, arquitetura e design.

O projeto é uma realização do Ministério da Cidadania, via Lei de Incentivo à Cultura e Usina Projetos, com produção da Quattro Projetos e Instituto Cultural Quattro, curadoria do Centro Cultural do Alumínio (CCAL) e chancela da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). “A Casa do Alumínio mostra como o metal está presente na nossa vida e é indispensável à sociedade contemporânea, seja pela versatilidade, seja pelo caráter sustentável. O alumínio é 100% reciclável e pode ser infinitamente reutilizado sem jamais perder as suas características”, diz o presidente executivo da ABAL, Milton Rego. “Sustentabilidade, aliás, que está presente em toda a cadeia produtiva do metal.  A começar pela mineração responsável da bauxita e sua transformação em alumínio, processo que segue práticas internacionais de preservação ambiental e de respeito ao homem”, reforça.

A Casa do Alumínio foi lançada durante a ExpoAlumínio 2018, em São Paulo, sendo montada logo em seguida na cidade de Alumínio (SP). Neste ano, a exposição também passará pelos municípios de São Luís (MA), Belém (PA) e Pindamonhangaba (SP), totalizando 6.750 km de viagem ao seu final. “Brasília é um ícone da arquitetura brasileira e mundial e não poderia deixar de receber a Casa do Alumínio. A exposição traz à capital federal toda a vanguarda das infinitas possibilidades do metal. Sendo também uma forma de homenagear grandes nomes como Oscar Niemeyer e Lúcio Costa”, ressalta o diretor cultural da Casa do Alumínio, Flavio Enninger.

Fonte: Brasil Mineral

PorAGEGO Goiás

MUNICÍPIOS MINERADORES – AMIG e Ibram firmam acordo técnico

MUNICÍPIOS MINERADORES

AMIG e Ibram firmam acordo técnico

A Associação de Municípios Mineradoes de Minas Gerais e do Brasil (AMIG) e o Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) assinaram um acordo de cooperação técnica com o intuito de somar forças “para a construção de uma nova mineração mais segura e justa para todos, na busca pelo seu desenvolvimento equilibrado e ético, com resultados concretos para a sociedade”.

O documento foi assinado pelo presidente da AMIG, Vitor Penido, e por Wilson Brumer, presidente do Conselho do Ibram, e de Flávio Ottoni Penido, presidente executivo do Ibram. Também assinaram como intervenientes no acordo a Fiemg, o Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), a Codemig e o BDMG.

O acordo visa a realização de debates, proposição e execução de ações relacionadas “ao desenvolvimento sustentável da mineração industrial, de modo a resguardar as condições de segurança operacional das pessoas e do meio ambiente, bem como contribuir para manter um horizonte perene de segurança e competitividade plena no setor mineral brasileiro”.

Tanto a AMIG quanto o Ibram ficarão responsáveis pela proposição de eventos para debater e propor ações relacionadas ao desenvolvimento sustentável da mineração e desenvolver material de conteúdo técnico, sendo que também cabe ao Ibram a responsabilidade de fornecer dados e informações a respeito do desenvolvimento sustentável da mineração.

Brumer destacou a felicidade em assinar esta parceria com várias entidades, por considerá-la uma iniciativa para que os municípios tenham menor dependência da mineração e isso se torna possível com transparência, ética e diálogo com as comunidades. “O setor tinha pouco diálogo com os municípios, mais isso mudou e será permanente, com humildade de ouvir para que todos sigam a mesma direção”, defende. Ele disse, ainda, que foi aprovada, pelo Ibram, a criação de uma diretoria específica para cuidar dos municípios e da cadeia de mineração no órgão.

Fonte: Brasil Mineral

PorAGEGO Goiás

SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 136, DE 26 DE AGOSTO DE 2019

SECRETARIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO
E TRANSFORMAÇÃO MINERAL
PORTARIA Nº 136, DE 26 DE AGOSTO DE 2019

Institui Grupo de Trabalho para propor alternativas à
agilização dos processos de autorização de pesquisa
e de concessão de lavra minerária no âmbito da
Agência Nacional de Mineração.
O SECRETÁRIO DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL - SGM
DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA - MME,
Considerando caber ao Ministério de Minas e Energia-MME, por sua Secretaria
de Geologia, Mineração e Transformação Mineral-SGM, "implementar, orientar e
coordenar as políticas para a geologia, mineração e transformação mineral", bem como
"monitorar e avaliar o funcionamento e o desempenho dos setores de geologia, mineração
e transformação mineral, e das instituições responsáveis, de modo a promover e propor
revisões, atualizações e correções dos modelos em curso", e, ainda, "coordenar o processo
de concessões de direitos minerários e supervisionar o controle e a fiscalização da
exploração e da produção dos bens minerais", com base no artigo 29, I, IV e XI, bem como
o disposto no artigo 1º, incisos I, II, III, IV, IX, X e XIII, todos do Decreto 9.675/19;
Considerando caber à Agência Nacional de Mineração-ANM, "observar e
implementar as orientações e diretrizes estabelecidas nas políticas estabelecidas pelo
Ministério de Minas e Energia", na forma do artigo 2º, da Lei 13.575/17;
Considerando que nos processos minerários da competência do Ministério de
Minas e Energia-MME, cabe à ANM "a fim de agilizar o andamento processual", realizar
"todas as análises técnicas necessárias", conforme dispõe o parágrafo único do artigo 3º,
da Lei 13.575/17;
Considerando a necessidade de dinamizar o setor minerário brasileiro,
agilizando a prestação dos serviços dos órgãos a ele vinculados;
Considerando o grande número de processos em tramitação no âmbito da
Agência Nacional de Mineração-ANM, e pendentes de solução por longo período,
notadamente quanto aos pedidos de autorização de pesquisa e de outorga de concessão
de lavra;
Considerando a necessidade de se encontrar alternativas para se resolver essa
situação de atraso no atendimento de demandas junto à ANM;
Considerando as recentes disposições do Regulamento do Código de
Mineração, pelo Decreto 9.406/18;
Considerando as disposições da Lei 13.848/19, e atento ao previsto em seu
artigo 53; e
Considerando-se o princípio da eficiência encartado no artigo 37, "caput", da
Constituição Federal, resolve:
Art. 1º Constituir Grupo de Trabalho-GT para avaliar os mecanismos,
ferramentas e procedimentos dos processos de autorização de pesquisa e de concessão de
lavra minerária, da competência da Agência Nacional de Mineral-ANM, devendo propor
alternativas para agilizar sua tramitação e decisões.
Art. 2º As alternativas propostas com base no artigo anterior deverão
considerar também os processos já em curso, de modo a se alcançar substancial redução
do passivo processual em tramitação na ANM.
Art. 3º O Grupo de Trabalho será formado por 4 (quatro) membros, sendo 2
(dois) da SGM-MME e 2 (dois) indicados pela ANM.
Parágrafo único. O Grupo de Trabalho será coordenado por um dos
representantes da SGM-MME.
Art. 4º O Grupo de Trabalho contará com o auxílio funcional e material da
SGM-MME e da ANM.
Art. 5º O prazo para conclusão dos trabalhos é de 30 (trinta) dias a partir da
primeira reunião de trabalho e que deverá realizar-se em até 5 (cinco) dias da publicação
desta Portaria.
Art. 6º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
ALEXANDRE VIDIGAL DE OLIVEIRA