Dia do Geólogo por Álvaro Rodrigues dos Santos

Nosso aniversário está próximo, transcrevo a propósito texto que produzi há alguns anos e que sempre passa por alguma atualização. No final há um poeminha em nossa homenagem.

Álvaro

OLHE À SUA VOLTA, HÁ UM GEÓLOGO POR AÍ

“Só uns poucos tomam, por todos os demais, o encargo nobre e pleno de responsabilidade de custodiar a escritura sagrada da Terra, de lê-la e interpretá-la, pois o enlace consciente do homem com sua estrela está confiado a uma ciência em especial… GEOLOGIA”.  Hans Closs-(1885- 1951)

No dia 30 de maio comemora-se internacionalmente o Dia do Geólogo. Diferentemente de vários países do mundo, onde a atividade profissional do Geólogo é já entendida em sua enorme importância para o Homem, tem sido regra em nosso país que esse dia passe praticamente despercebido pela sociedade, reflexo do ainda precário conhecimento que esta sociedade tem sobre a atividade de seus geólogos. Diga-se a bem da verdade que esse relativo desconhecimento deve-se em boa parte aos próprios geólogos, em geral mais afeitos a seus círculos profissionais específicos e restritos e despreocupados em dialogar mais abertamente com a sociedade sobre as importantíssimas questões com que trabalha.

Simplificadamente, podemos dividir em três grandes planos a atividade profissional do Geólogo, todos eles, como se verá, com estreita relação com o cotidiano e com a qualidade da vida humana no planeta:

Geologia do Planeta, no âmbito do qual o Geólogo estuda e investiga a história, a composição e o desenvolvimento geológico do planeta, trazendo informações essenciais para a boa condução das relações do Homem com a Terra, seja no que esta lhe fornece de insumos necessários à sua vida, seja nos cuidados que devam ser adotados e cumpridos para que as condições essenciais à vida não sejam colocadas em risco. Dentro desse quadro dedica-se atenção especial aos fenômenos associados às dinâmicas geológicas planetárias interna e externa, como a evolução geológica das paisagens, terremotos, maremotos, tsunamis, vulcanismos, variações do nível dos oceanos, sucessão de variações climáticas globais, processos regionais de desertificação, erosivos, deslizamentos e avalanches naturais, etc. Essencial aqui destacar a atividade dos geólogos em Ensino e Pesquisa, especialmente no âmbito das Universidades e Centros de Pesquisa. A esses colegas devemos o preparo constante de novos profissionais, as novas descobertas e os aprofundamentos dos conhecimentos que sempre alimentarão a base de informações utilizadas nas atividades aplicadas da Geologia.

Exploração de Recursos Minerais, plano em que o Geólogo estuda a formação de jazidas minerais de interesse do Homem (ferro, manganês, cobre, carvão mineral, petróleo, água subterrânea, urânio, alumínio, areia e brita para construção, argila para cerâmica, etc., etc.), localiza-as na Natureza, avalia-as técnica e economicamente e planeja, juntamente com o Engenheiro de Minas, sua lavra e a posterior recuperação ambiental da área afetada;

Geologia de Engenharia, dentro do qual o Geólogo estuda as interações recíprocas entre o Homem e o meio físico geológico. Dentro desse plano é importante entender que, para o atendimento de suas necessidades (energia, transporte, alimentação, moradia, segurança física, saúde, comunicação…), o Homem é inexoravelmente levado a ocupar e modificar espaços naturais das mais diversas formas (cidades, agricultura, indústria, usinas elétricas, estradas, portos, canais, extração de minérios, disposição de rejeitos ou resíduos industriais e urbanos…), o que já o transformou no mais poderoso agente geológico hoje atuante na superfície do planeta. Pois bem, caso esses empreendimentos não levem em conta, desde seu projeto até sua implantação e operação, as características dos materiais e dos processos geológicos naturais com que vão interferir e interagir, é quase certo que a Natureza responda através de acidentes locais (o rompimento de uma barragem, o colapso de uma ponte, a ruptura de um talude, por exemplo), ou graves problemas regionais (o assoreamento de um rio, de um reservatório, de um porto, as enchentes e escorregamentos, a contaminação de solos e de águas superficiais e subterrâneas, por exemplo), conseqüências todas extremamente onerosas social e financeiramente, e muitas vezes trágicas no que diz respeito à perda de vidas humanas.

Enfim, mesmo com a abdicação do consumismo tresloucado e do crescimento populacional descontrolado, a epopéia civilizatória de chegarmos a uma sociedade onde todos os seres humanos tenham uma vida materialmente digna e espiritualmente plena, exigirá, sem dúvida, a multiplicação de empreendimentos humanos no planeta: exploração mineral, energia, transportes, indústrias, cidades, agricultura, disposição de resíduos… A Geologia é uma das ciências sobre as quais recai a enorme responsabilidade de tornar essa maravilhosa utopia técnica e ambientalmente possível, sem que a própria possibilidade da vida humana no planeta seja comprometida.

Conclui-se, assim, que para se assegurar que a Humanidade tenha um futuro promissor e pleno de felicidade em seu planeta faz-se cada vez mais imprescindível conversar com a Terra. Para esse diálogo, os homens têm seu inspirado intérprete: o Geólogo.

De outra parte, a Geologia é uma geociência maravilhosa. E seu caráter maravilhoso liga-se à sua intrínseca relação com o movimento (Movimento = Matéria + Tempo + Espaço). O sentido maior da Geologia é apreender o movimento, os processos que definiram, definem e definirão o Planeta e seus fenômenos. O fator Tempo pode ser também importante em outras profissões, mas na Geologia é a variável permanente e onipresente em todas suas equações.

Dentro desse espírito, é justo rendermos um tributo ao Geólogo escocês James Hutton, que ao final do séc. XVIII, pela primeira vez rompeu documentada e corajosamente com os estreitos tabus e dogmas religiosos da época, para os quais o mundo atual era exatamente aquele criado por Deus, cunhando então (outro geólogo escocês, Charles Lyell, logo em seguida deu primorosa e enérgica seqüência à sua teoria) as bases da teoria do Uniformitarismo (“o Presente é a chave do Passado”); a qual, por sinal, Darwin, dando todos os créditos a Lyell e Hutton, aplicou ao mundo Biológico. Dizia Hutton: “Desde o topo da montanha à praia do mar…tudo está em estado de mudança. Por meio da erosão a superfície da Terra deteriora-se localmente, mas por processos de formação das rochas ela se reconstrói em outra parte. A Terra possui um estado de crescimento e aumento; ela tem um outro estado, que é o de diminuição e degeneração. Este mundo é, assim, destruído em uma parte, mas renovado em outra”.

Ao Geólogo, portanto, com todo o merecimento, cabem as honras e homenagem por mais esse aniversário de sua tão bela profissão.

Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos (santosalvaro@uol.com.br)

  • Ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas
  • Autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”, “A Grande Barreira da Serra do Mar”, “Diálogos Geológicos”, “Cubatão”, “Enchentes e Deslizamentos: Causas e Soluções”, “Manual Básico para Elaboração e Uso da Carta Geotécnica”, “Cidades e Geologia”
  • Consultor em Geologia de Engenharia e Geotecnia

O GEÓLOGO (Álvaro mar 2015)

Tira-lhe seus mapas

E logo outros estará a imaginar,

Tira-lhe o Norte

Sobrar-lhe-ão os ventos,

O sol, as estrelas e o mar,

Tira-lhe seu martelo,

Companheiro inseparável,

Uma lasca, ao fim, o acalma,

Mas tira-lhe o campo

E matará sua alma.

COMPARTILHE

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn