Gás natural reinjetado em abril corresponde a 45% da produção nacional

Gás natural reinjetado em abril corresponde a 45% da produção nacional

Manobra por falta de gasoduto

Iniciativa privada tem que importar

Brasil não oferta ao mercado extração de gás natural do pré-sal por falta de infraestrutura em gasodutos. De 2006 a abril de 2020, o país reinjetou 101,3 bilhões de m³ de gás naturalGNA (Gás Natural Açu)

NIVALDO CARBONI
25.jun.2020 (quinta-feira) – 15h39

Relatório divulgado pelo Ministério de Minas e Energia mostra que os 56 milhões de m³ de gás natural reinjetado por dia correspondem a 45% da produção nacional. O valor é superior também à oferta diária de gás ao mercado, que é de 45,6 milhões de m³. Eis a íntegra do documento (3 MB).

O volume de gás natural reinjetado nos poços de petróleo está diretamente ligado à falta de infraestrutura de gasodutos no escoamento de gás até a costa brasileira.

“Devemos encontrar a logística de escoamento e tratamento do gás natural que minimize os custos de investimento nessas infraestruturas. O escoamento do gás do pré-sal é feito por meio de 3 rotas submarinas. As rotas 1 e 2 estão em operação, e são de propriedade de diversos operadores, e a rota está em construção com início de operação previsto para o 4º trimestre de 2021”, falou Luiz Costamilan, secretário-executivo de Gás Natural do IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

De 2006 a abril de 2020 foram reinjetados 101,3 bilhões de m³. O procedimento de reinjetar significa que o gás natural extraído do pré-sal não pôde ser ofertado ao mercado.

A venda desse recurso não-renovável poderia gerar riqueza ao país se as empresas e associações de energia pudessem ter acesso através de uma rede de escoamento.

Sem a opção de compra no mercado interno, a iniciativa privada é obrigada a importar gás natural, e assim, fomentar economias estrangeiras.

NOVO MERCADO DE GÁS

Em junho de 2019, o governo anunciou a abertura do novo mercado de gás natural. Nesse contexto, o preço da energia para a indústria poderia cair 40% em cerca de 2 anos.

Até agora essa queda nos preços não chegou ao consumidor, mas os agentes envolvidos afirmam que as tratativas estão andando.

“A abertura do mercado e a reforma dos marcos legal e regulatório, em andamento, proporcionarão 1 ambiente de negócios mais favorável aos investimentos e à competição”, disse a diretora do Departamento de Gás Natural do Ministério de Minas e Energia, Symone Christine de Santana Araujo. Eis o posicionamento da pasta (46 KB).

Petrobras disse que está contribuindo com o avanço da competitividade.

“Estão a venda diversos ativos de transporte de gás que a companhia é proprietária ou tem participação, o processo de arrendamento do Terminal de Regaseificação de GNL da Bahia e as tratativas para acesso a outras empresas a suas plantas de processamento de gás natural. Também reduzimos o volume de gás contratado com a YPFB no gasoduto Bolívia-Brasil. O que permite que o excedente de volume de gás natural possa ser comercializado diretamente pela YPFB com outros agentes do mercado no Brasil.”

COMPARTILHE

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn