MINERADORAS DOS EUA APREGOAM CREDENCIAIS AMBIENTAIS APÓS VITÓRIA DE BIDEN

MINERADORAS DOS EUA APREGOAM CREDENCIAIS AMBIENTAIS APÓS VITÓRIA DE BIDEN

As empresas de mineração dos EUA estão se movendo rapidamente para se alinharem com a agenda de mudança climática de Joe Biden, dizendo que o lítio, cobre e outros metais que eles produzem podem ajudar o presidente eleito a atingir seus ambiciosos objetivos de reduzir as emissões de carbono e eletrificar os automóveis do país.
Com Biden propondo apressar o desaparecimento do carvão e de outros combustíveis fósseis com seu plano climático de US$ 2 trilhões, as mineradoras dos chamados metais estratégicos esperam que a equipe de Biden os veja como parceiras, não inimigos.
Poucas horas depois que as redes dos EUA declararam no sábado passado que Biden derrotou Donald Trump na corrida pela Casa Branca, a National Mining Association parabenizou Biden por sua vitória e lembrou-o de que os 600.000 mineiros do país fornecem produtos usados para fazer pontes, telefones celulares, painéis solares e uma miríade de outros bens.
“Você pode não querer extrair carvão, mas deveria extrair lítio”, disse Michael Silver, presidente-executivo da American Elements, com sede em Los Angeles, que fabrica materiais de desempenho a partir de uma variedade de metais. “Biden poderia mudar o zeitgeist na mineração.”
A abordagem dos mineiros visa substituir a visão comum da mineração como ambientalmente prejudicial, por uma principal fornecedora dos materiais necessários para um futuro de baixo carbono, embora algumas práticas controversas – incluindo minas a céu aberto – permaneçam.
A abordagem pode ser especialmente útil para as minas propostas em terras federais, incluindo projetos da Rio Tinto, BHP Group, IoneerLtd e LithiumAmericasCorp, e como as maiores mineradoras do mundo vinculam seus futuros aos Estados Unidos.
“Você pode ter uma operação de mineração neutra em carbono”, disse Stephen Gill, da Pala Investments, com sede na Suíça, maior acionista da Nevada Copper que, no ano passado, abriu a primeira nova mina nos EUA em décadas.
Biden e a vice-presidente eleita Kamala Harris disseram que reduziriam o fraturamento hidráulico em terras federais, embora não tenham abordado publicamente a mineração. A equipe de transição não respondeu às solicitações de comentários.
Legislação
A equipe de transição de Biden está considerando uma legislação que poderia penalizar as emissões de carbono e aumentar os incentivos financeiros para VEs, medidas vistas como potenciais para um aumento da demanda de metais.
Os republicanos, que devem manter o controle do Senado dos EUA, provavelmente se oporiam a reduções de impostos de VE, mas apóiam a legislação que exigiria que os produtos comprados pelo governo dos EUA – incluindo sua frota de 8,1 milhões de automóveis – fossem construídos com metais de origem nacional, dizem assessores.
“Isso seria muito útil”, disse Keith Phillips, presidente-executivo da PiedmontLithium, que está construindo uma mina de lítio na Carolina do Norte.
As mineradoras também esperam que a pandemia de coronavírus destaque o valor das cadeias de abastecimento mais próximas e reduza a dependência da China, o maior produtor e consumidor mundial de lítio, terras raras, cobre, minério de ferro e outros metais.
“Não acho que o povo americano esteja interessado em permitir que isso seja o status quo”, disse James Calaway, presidente da Iioneer, que está desenvolvendo uma mina de lítio e boro em Nevada.
Os novos regulamentos dependem de quem Biden nomeará para administrar a Agência de Proteção Ambiental dos EUA. Um candidato em consideração tuitou no ano passado para o projeto de lítio da Rio Tinto na Califórnia, embora outros candidatos tenham se oposto a alguns projetos de mineração dos EUA por motivos ambientais.
Nesse ínterim, as mineradoras dizem que planejam mostrar a esses novos reguladores sua adoção de equipamentos movidos a energia renovável e outras mudanças que eles veem como um aumento de suas credenciais ambientais.
Fonte: Notícias de Mineração Brasil/ADIMB

COMPARTILHE

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn