Vendas trimestrais de mineradoras de diamantes despencam

diamente-

Vendas trimestrais de mineradoras de diamantes despencam

Por Bloomberg/www.moneytimes.com.br

A pandemia devastou o mundo dos diamantes. Com joalherias fechadas, cortadores e polidores em casa e viagens globais paralisadas, o setor de diamantes praticamente congelou (Imagem: Andrey Rudakov/Bloomberg)

A pandemia de coronavírus congelou o mercado de diamantes de forma tão drástica que as duas maiores produtoras quase não venderam gemas nos últimos três meses: suas vendas combinadas caíram 94% em relação ao ano anterior.

Na quinta-feira, a De Beers e a rival russa Alrosa divulgaram números de vendas do segundo trimestre, que totalizaram US$ 130 milhões em diamantes brutos entre as duas empresas. No mesmo período do ano passado, as duas venderam US$ 2,1 bilhões.

A pandemia devastou o mundo dos diamantes. Com joalherias fechadas, cortadores e polidores em casa e viagens globais paralisadas, o setor de diamantes praticamente congelou.

Isso aumentou a pressão sobre as maiores mineradoras que, para proteger o mercado, se recusaram a reduzir preços.

De Beers e Alrosa fizeram grandes concessões em suas regras de vendas ao permitir que clientes cancelassem contratos e visualizassem diamantes em locais alternativos.

Também reduziram a produção na tentativa de controlar os níveis de estoque, mas isso não impediu que os diamantes se acumulassem, aumentando a preocupação do setor sobre quando os volumes vão diminuir.

Ainda assim, a De Beers, controlada pela Anglo American, mantém seu plano de produzir entre 25 milhões e 27 milhões de quilates neste ano, embora a meta esteja “sujeita à revisão contínua com base nas interrupções relacionadas à Covid-19, bem como o momento e a escala da recuperação da demanda”.

A Alrosa disse na quinta-feira que seus estoques atuais de diamantes totalizam 26,3 milhões de quilates, quase o equivalente à meta de produção para todo o ano, entre 28 milhões e 31 milhões de quilates.

As perspectivas para o segundo semestre permanecem incertas, “devido à situação da Covid-19 nos EUA (50% da demanda) e na Índia, onde o principal centro de processamento de diamantes Surat fechou novamente para conter o vírus”, disse o Morgan Stanley em relatório na quinta-feira.

A Alrosa “havia sinalizado recuperação no terceiro trimestre, mas achamos que isso pode ser adiado”.

COMPARTILHE

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn