CHINESES ABREM OS OLHOS PARA GOIÁS NO SETOR DE MINERAÇÃO

PorAGEGO Goiás

CHINESES ABREM OS OLHOS PARA GOIÁS NO SETOR DE MINERAÇÃO

CHINESES ABREM OS OLHOS PARA GOIÁS NO SETOR DE MINERAÇÃO

O mercado chinês nos segmentos de nióbio e fosfato desembarca em solo goiano e paulista com investimento de US$ 1,5 bilhão Representantes da cadeia de mineração veem como positiva a venda das unidades de nióbio e fosfato em Ouvidor (GO), Catalão (GO) e Cubatão (SP), pela Anglo American, para a mineradora China Molybdenum Co, em uma transação de US$ 1,5 bilhão divulgada ontem. O valor é considerado expressivo, sobretudo, em decorrência do atual cenário econômico mundial. A tendência é de que haja poucas mudanças no quadro operacional, salvo cargos de liderança. As mineradoras passam por momentos difíceis por causa da queda nos preços de commodities e do alto custo operacional. O presidente da câmara setorial de mineração da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Wilson Antônio Borges, diz que há um esforço para manter as operações e empregos mesmo com a redução das margens de lucro. Daí a importância de se manter a produção, uma vez que o nióbio e o fosfato têm demanda de mercado. O primeiro é utilizado na produção de ligas metálicas e o segundo é considerado estratégico para o País na fabricação de fertilizantes. Segundo a Anglo American, as unidades empregam nos negócios nióbio e fosfato, no País, 1.845 funcionários. A mineradora chinesa está inserida principalmente na mineração, processamento, fundição e processamento profundo de tungstênio e molibdênio. O prefeito de Ouvidor, Heleno Pereira Neto, acredita que a injeção de sangue novo pode promover investimentos na planta, beneficiando a arrecadação e geração de renda e emprego. “Há dois anos a Anglo American chegou a anunciar novos investimentos, mas não vingou. Como são negócios rentáveis, imagino que eles tenham intenção de aumentar a planta, e isso gera segurança para a região”, avalia. Embora acredite que não ocorra muitas mudanças com a troca de comandos, o secretário da Indústria e Comércio de Catalão, Geraldo Rocha, lembra que a Anglo American adota alto nível remuneratório para com os funcionários e valoriza o corpo técnico, com baixa rotatividade no quadro de funcionários, o que gera uma expectativa sobre o futuro.

Fonte: O Popular

Sobre o autor

AGEGO Goiás editor